De “webmaster” a “fullstack”

Num passado remoto, tínhamos o (D)HTML, Frontpage, Macromedia Flash, Fireworks, banco de dados MySQL junto ao ASP ou PHP. Tudo era novidade. Nem tudo funcionava. Duas categorias de trabalho surgiam: o webmaster e o webdesign. Cada um no seu quadrado, trabalhando com ferramentas bem delimitadas.

Os anos foram passando, o mundo evoluindo e novas novas novas novas tecnologias surgindo – HTML, JS, CSS amadureceram, bancos de dados especializados se popularizaram, como Redis, MongoDB, Cassandra; linguagens se multiplicaram.

Ser especialista em PHP não é mais suficiente; é preciso ter domínio de Bash, Python, Ruby, Java, Javascript, Scala, Go e por aí vai.

Querer desenvolver sem saber configurar uma máquina do zero com todos os seus requisitos é impensável – e olha que não são poucos os requisitos: um servidor http (nginx ou apache), o módulo para processamento da linguagem desejada, seu(s) banco(s) de dados (mysql, postgresql, mongodb, redis), ativar cache, serviço de fila de processos, monitoramento de logs, compilador para linguagens intermediárias (typescript, scss, sass).

Acho que só os detalhes para configuração da máquina já renderia um curso superior. Enfim, o mundo da TI está cada vez mais heterogêneo, graças a necessidade de interoperabilidade e em especial, ao movimento opensource – não há como lutar contra.

Nos idos dos anos 2004 iniciei minha carreira como webmaster – embora já me interessasse pelas áreas correlatas.

Hoje, após  13 anos, caminho cada vez mais para o perfil fullstack: gerenciando configurações de máquinas de desenvolvimento e produção, com ferramentas como o Ansible e SaltStack; utilização de linguagens que vão do Javascript ao C++, passando por PHP, Java(EE), Python; bancos de dados diversos (uso e gerenciamento); definição, configuração e acompanhamento de ferramentas para QA (builds e testes automatizados) – como Gitlab + CI, Jenkins, Trevis-CI, Bamboo e SonarQube.

Quando paro para pensar na quantidade de projetos que já participei e nas tecnologias envolvidas, tenho uma imensa satisfação, acompanhada de descrença. No dia-a-dia não vemos o quanto nos adaptamos, e quão rápido é o processo, por isso é legal parar vez ou outra para pensar no que já construímos.

Não consigo imaginar qual será o nome da minha função no futuro, mas espero ter uma lista ainda mais interessante de estudos e trabalhos realizados: que venham novas linguagens, patterns e cervejas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *